domingo, 7 de setembro de 2008

7 de Setembro -Independência do Brasil

Bandeira do Império, 1822
Fonte da Imagem: História da Bandeira Nacional
Hoje, Dia 7 de Setembro, festeja-se a Independência do Brasil. Neste dia acabo sempre por fazer algumas comparações com o processo que por aqui houve e pela a que eu acompanhei ao vivo, pelo menos parte dela, em uma outra colônia portuguesa, até meados do Séc. XX, que foi a de Moçambique.
No Brasil, o processo de emancipação começou, mais efetivamente, 14 anos antes do famoso grito de Independência ou Morte de D. Pedro, às margens do riacho Ipiranga.
Até ali movimentos populares e republicanos, normalmente com maiores preocupações regionais, foram dominados pelo governo monarquista onde os aristocratas e intelectuais envolvidos eram sempre penalizados de forma mais leves do que os qualificados em classes menos favorecidas na sociedade de então.
No Brasil, em uma análise fria, a Independência de 7 de Setembro foi estruturada por uma maioria de descendentes de portugueses, porque não dizer de portugueses, da aristocracia rural cá da terra de uma forma que se garantisse as regalias dos mesmos, onde o escravismo e o latifúndio eram a grande fortuna, e para isso o melhor caminho era deixarem de serem portugueses para passarem a serem brasileiros, onde além da população menos favorecida ter ficado de fora do movimento, a não ser para o de sempre nestas ocasiões, que é o de ser pano de fundo, os nativos cá do sítio ainda hoje lutam para poderem definir qual são as suas áreas para sobreviverem, chamadas de “ reservas indígenas”.
Ainda assim, havia um povo por trás, que queria, e quer sim, fazer deste um grande país, e vem de degrau em degrau construindo-o, quebrando os velhos costumes, os sistemas dos velhos coronéis, e colocando este País no lugar que merece.
Já Moçambique, uma Independência que acompanhei parcialmente, foi sem dúvida alguma muito mais estruturada por gente descendente de nativos daquele continente, mesmo que também apoiados por gente que por muitos poderiam ser vistos como colonizadores.
A dificuldade de se ver tanto num como em outro, uma Independência para todos, é difícil nos seus primeiros anos.
Mas há, sem dúvidas, como se tirar lições nos dois distintos processos de autonomia destes dois países, e creio que Moçambique, e não só, poderá tirar vantagens da História do Mundo.
Contudo, hoje os parabéns são para Brasil, embora utopicamente sonhe sempre com um mundo sem fronteiras e que as lutas se restrinjam e tenham ainda maior foco nas questões sociais.

3 comentários:

septuagenário disse...

Zé Paulo,
Brasil 186 anos de independência.

Moçambique (Africa subsariana em geral) média 40 anos de independência.

Diferenças: No Brasil (e redondezas) ainda não desapareceram os indios todos;

em África ainda não desapareceram os brancos todos.

Os indios nas américas e brancos nas africas são presença efémera neste momento.

É uma lição já visível.

Zé Paulo disse...

Septuagenário,
A diferença:

No Brasi (e redondezas) os indios desapareceram quase todos, porque foram mortos.

Em Moçambique os brancos desapareceram quase todos, porque migraram.

Mas não deixam de ser lições a serem levadas em conta.

Já sentia falta das suas visitas / comentários.

Os meus cumprimentos.

Zé Paulo

Anônimo disse...

o Brasil foi construido e criado pelos portugueses e descendentes
África só teve benesses dos mesmos
a´te a sua expulsão por guerrilheiros marxistas e traição infiltrada em Portugal.
Estima-se que morreram 300 mil brancos mestiços e negros pró Portugal Ultramarino.
O que se viu fó só fome guerra civil luta pelo poder tribalismo e miséria.O Brasil é a utopia do V Império. Viva os lusitanos!
Abraços