domingo, 10 de fevereiro de 2008

O silencio de Alonso....



Será que estou errado em acreditar que por terem sido torcedores do Fernando Alonso que demonstraram actos de racismo contra ao seu colega de profissão, Lewis Hamilton, ele, mesmo que não tenha responsabilidade pelas atitudes dos seus fãs, devia ter feito alguma declaração oficial mostrando que não compartilha com a postura dessa parcela da sua torcida?

Não é, de alguma forma, o seu silêncio, não o silêncio de um homem comum, um acto de cumplicidade com esses torcedores?
Ou terá havido alguma manifestação da parte do mesmo que eu não tenha me apercebido?
.

Fonte da imagem: Blog do Ricardo Lampert

5 comentários:

Anônimo disse...

Oi Zé Paulo, concordo plenamente contigo, é incrível o trabalho de equipa nesta área(automobilismo).aonde os pilotos se disputam sós.
Cada vez o egocentrismo se instala mais.
Que mundo será o dos nossos filhos e netos!?
Um beijo,
Bébé

Anônimo disse...

Dizer que os racistas que atacaram o Lewis Hamilton são torcedores do Fernando Alonso é uma insinuação injusta e simples demais para a gravidade do tema em si. (É se deixar ser manipulado pela imprensa "marron" inglesa que gosta de colocar óleo na fogueira).
O que houve foi mais uma prova do renascimento do racismo e fascismo na sociedade espanhola como um todo. Resumir este caso á simplicidade de torcedores do Alonso, do Barcelona, do etc... é bloquear um investigação e punição de algo muito mais sério que exige uma tomada de posição a nivel político e social. Afinal muito mais brutal do que aconteceu com o Hamilton foi o que há dois meses atrás aconteceu com a adolescente equatoriana no metro espanhol.
Ao contrário do que pensas, acho que há que ir muito mais longe, ser mais abrangente do que o "Show da F1", pois o tema do racismo é muito grave e há que ser debatido seriosamente como algo da sociedade atual espanhola.

Antonio Maria

Anônimo disse...

Existem alguns espanhois que realmente não se deixam restringir ás influências que a mídia exerce quando algo acontece com os "promenentes" do esporte. Ler o texto abaixo:

"EJEMPLARIZACIóN CONTRA EL RACISMO/ POR CARLOS CARNICERO



El vídeo del servicio de seguridad del tren que gravó la agresión a la joven ecuatoriana tiene un valor incalculable para conceptualizar lo que es el racismo. Ahora tenemos que asistir a la deficiencia manifiesta de nuestro sistema judicial que mantiene en libertad al agresor para que se pueda jactar de su barbarie ante los medios de comunicación que reproducen su imagen satisfecha sin que nadie se escandalice, de manera terminante, por las consecuencias que se anuncian este asunto tan deficientemente manejado.

Lo que puede ocurrir es fácilmente previsible: un montón de tarados semianalfabetos, racistas, violentos y marginados están a punto de comprobar lo barato que sale apalear a una mujer extranjera. En medio de una catarata de problemas pendientes de resolver como consecuencia de la ola de inmigración, el tratamiento de esta agresión es el caldo de cultivo para que la xenofobia y el racismo se acojan a la violencia como fórmula para dar salida a las más bajas pasiones.

El Gobierno tiene un problema grave si no es capaz de garantizar que el Ministerio Fiscal sea implacable con cada uno de los episodios de violencia racista que se produzcan y que de esa manera convierta las medidas ejemplarizantes en el mejor instrumento de combate contra esa lacra.

El racismo es la más execrable manifestación de la estupidez humana y una ofensa intolerable contra quien se le quiere proferir el sentimiento de diferencia. Como el terrorismo, no debe tener margen para la tolerancia y la sociedad tiene que rearmarse para combatir con toda rotundidad cualquier germen de esa ignominia. El racismo con agresión es una infamia cuya impunidad no se justifica con nada.

La foto del delincuente que agredió a la joven ecuatoriana puede convertirse en un banderín de enganche para un montón de marginados que están a punto de convertir en héroe a este cobarde.

Todavía estamos a tiempo de reconducir este suceso a unos parámetros donde la cárcel y la más dura de las condenas posibles sea el antídoto para el peligro que nos acecha.

Fuente: El Ideal Gallego"

Abraço
Antonio Maria

Zé Paulo disse...

Oi, Bébé!
O egocentrismo está na verdade muito generalizado, mas na F1 de facto isso extravassa.
Beijo,

Zé Paulo disse...

Mano Tó,

Concordo plenamente contigo que resumir movimentos como este a uma torcida especifica seria errar no alvo na certa. Mas também fica evidente que estes usaram como fachada, afinal as imagens demonstram isso, a rivalidade do esporte entre pilotos de F1, no caso o Alonso e o Hamilton. E ainda mais com o que dizes, se parte da mídia tenta induzir erradamente ser parte da torcida do Alonso que fez o que fez, o Alonso haveria que formalmente, para o bem do esporte e usando o esporte para o bem da humanidade,fazer uma declaração contra o que foi visto.
Sobre a crónica de Carlos Carnicero, nada a comentar a não dizer que está ótima.
Beijos.
Zé Paulo