domingo, 16 de novembro de 2008

Eleições na Venezuela ou vitrine para Chávez?


"Se vocês permitirem que a oligarquia volte ao governo (regional), talvez eu acabe usando os tanques da brigada blindada para defender o governo revolucionário e o povo", ..."Pátria ou morte é o lema."

É este um dos argumentos de Hugo Chávez na campanha das eleições venezuelanas.
O seu apoio aos candidatos do seu partido, PSUV, nas próximas eleições para governadores estaduais, prefeitos municipais e deputados estaduais, mais uma vez transforma o que deve ser um exercício democrático em um clima de insegurança na população, através do uso da máquina estatal para tentar abafar a movimentação oposicionista e buscar manter as suas garras em todos os níveis do Estado da Venezuela, além de transformar estas eleições em um plebescito “informal” sobre si e do que chama de “revolução bolivariana”..
O favoritismo geral para as eleições é do PSUV, - um dia, e que não seja tarde, o povo venezuelano haverá de reagir - mas a oposição tem a possibilidade de ganhar terreno em regiões importantes, o que deixa Chávez preocupado, e levanta a hipótese de que estas regiões venham a declarar autonomia, como se viu na vizinha Bolívia.
É um medroso, como todo o ditador, e não sabe conviver com as regras democráticas. E depois tem receio que hajam os que não queiram conviver com quem pensa assim.

4 comentários:

REGIONAL disse...

Olá, este texto seu é muito ruim.O que vc sabe sobre a Venezuela??Quantas vezes esteve lá???Você é tão ignorante que defende o separatismo de regiões ha seculos organizados e formando o estado democratico da Venezuela.Você ainda torce para que o povo um dia mude a situação,mas como você é incoerente, já que o povo é quem esta fazendo a escolha por Chaves e seus correligionários, estamos em uma eleição e portanto o poder emana justamente do povo. Colega,preste atençaõ na crise mundial, sua revolta não deveria estar voltada para o chaves que tanto criticou este modelo de capitalismo, suas criticas deveriam estar apontadas em outra direção, Wall Street,Bush,FHC etc...Estude mais,leia mais e procure escrever coisas mais reais.

Zé Paulo disse...

Anônimo,

Tentarei estudar, ler mais, sempre.
Mas também lhe indico, antes de concluir um perfil de uma pessoa, que veja / leia mais o que esta pessoa pensa, inclusive sobre o que você levanta,e como neste caso falamos aqui de mim, leia mais o que por aqui escrevo.
Sobre este texto específico, não sei exatamente onde conclui que eu defendo o separatismo. O que eu defendo é a democracia, limpa, sem ameaças bélicas onde a população possa votar na oposição por não concordar com a visão da posição do governo central.
O que eu defendo é o pluralismo de ideias, sem necessáriamente chamar quem não concorda comigo de ignorante.
Espero, que de forma democrática e sem ofensas, continue participando deste espaço comentando o que gostou ou não gostou de ler.

Cumprimentos,

Zé Paulo

Anônimo disse...

Os Chávez da vida, são o outro lado da moeda Ditadura.
Quem tenta a qualquer preço mudar as regras do jogo, constituição, para poder ganhar o jogo, é mau perdedor.

Neste caso, para quem viveu e pode comparar duas ditaduras, uma de "direita" e depois uma de esquerda", só tenho a dizer que ambas são abomináveis. Um se proclama popular,o que significa que só quem está ligado ao governo ¢ que tem regalias que o resto do "popular" não tem. E a outra, assume o lado do poder económico, na cara dura, deixando o Povo sofrendo.
Ambas têem em comum, a permanência do poder e o amor pelo militarismo.
Os meus amigos cubanos, confirmam a minha experiência pessoal. Trocariam o paraíso falido do Tio Fidel por um país qualquer, onde o direito de imprensa livre e liberdade aos direitos mais elementares do Homem, não fossem uma Utopia.

Abaixo as ditaduras, sejam elas disfarçadas com que côr sejam.

A História do Mundo mostra, que não se repetindo erros e modelitos pré-históricos que se vai para frente, e sim, acreditando-se e procurando novas vias, adequadas ao tempo que se vive.

Se a Democracia não é perfeita, continua no momento, para a minha experiência de vida, (e não teórica de panfleto), sendo a opção mais humana.
Mas se nós baseados nas regras de liberdade democráticas, ainda a podemos melhorar? Claro que sim, Nós pdemos!

António Maria

Zé Paulo disse...

António Maria,

Que não te chamem de ignorante por sabiamente assim pensares.
Sobre o perfil político do Chávez, ainda tenho dúvidas se será mesmo de esquerda. Que ele é colocado lá por muitas falsas esquerdas, lá isso é verdade, mas como sabemos que para este basta ser contra o Bush para os classificar de esquerda, continuo com as minhas dúvidas.
Não acredtio que um verdadeiro "esquerdista" do Séc. XXI possa apoiar uma ditadura, disfarçada ou não.
Nisso, o Morales da Bolívia dá uma lição no seu vizinho Chávez.
Grande abraço,

Zé Paulo